13/12/2013

1934 – Alberto Moravia



Alberto Pincherle, sob pseudônimo de Alberto Moravia nasceu em Roma – 1907. Filho de judeu com mãe católica, ele encontrou o gosto pela leitura bem cedo na vida. Estavam entre as suas leituras e influências, Arthur Rimbaud e Fiodor Dostoievski. Vários livros de Moravia foram transformados em filmes. A sétima arte era a sua paixão, tanto que tornou-se também crítico de cinema.
1934 é um romance fascinante que inicia com a pergunta: “É possível viver no desespero sem desejar a morte?”. Essa pergunta permeava a mente do protagonista, Lucio, que tentava constantemente estabilizar o desespero para não se entregar ao suicídio. O momento histórico era dos piores, florescia o nazismo e o fascismo. Talvez tenha sido esse o motivo da desesperança de Beate, mulher que encontrou em Lucio o parceiro ideal para colocar em prática o ponto final do desespero – ali, na Ilha de Capri – o suicídio a dois, como na literatura, Kleist e Henriqueta Vogel, à margem do lago Wannesee.
Teria Lucio, sucumbido aos desejos de Beate? Ou, ele conseguiu convencer à misteriosa atriz alemã a estabilizar o desespero através de sua imensa paixão?

Muitos acontecimentos nos surpreenderam no decorrer dessa enigmática história de amor, o que deu maior movimentação ao romance, tornando agradável a leitura.
...
“-Estou desesperado, sim. Mas, sobre o desespero, não tenho a mesma idéia de Beate.
-Qual é a sua idéia?
-A minha idéia é que o desespero deve ser a condição normal do homem. Portanto, não há necessidade de chegar ao suicídio.”


“-Vamos nos entender, não é muito complicado. Eu acho, estou convencido, tenho absoluta certeza de que a condição normal do homem deveria ser o desespero. Um desespero tão natural quanto o ar que respiramos. A única diferença é que respiramos sem ter consciência. Mas não podemos deixar de ter consciência de estarmos desesperados. Ora, cheguei à conclusão de que enquanto, por um lado, devemos recusar com firmeza as muitas ilusões que a natureza nos propõe, por outro lado devemos estabilizar o desespero, isto é, aceitar as normas, como na vida social aceitamos as leis. Vivemos num mundo desesperado; devemos aceitar as suas leis.”
...

Leitura feita através do Clube deLeitura Icaraí  -  @clicuff

Leia o meu poema no CLIc  

Amplie a sua leitura aqui  - com Nei Duclós



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faço a moderação dos comentários, por isso ao enviar sua mensagem, aguarde pela aprovação. Comentários ANÔNIMOS ou com links NÃO serão publicados. Lembre-se de assinar!

Grata

Sonia Salim