18/11/2009

BULLYING




Nas férias de dezembro de 2008 este livro foi o meu deleite. É indicado para pais e professores, empresários, funcionários, psicólogos e toda pessoa que interessar pela problemática do comportamento humano. O "bullying" é uma realidade que faz parte do nosso dia a dia e não percebemos que é uma forma sutil de violência. Ele está na escola, família, empresa e em todo lugar. Pensei na igreja... Hum...?! Por que não? Pode ser que exista este comportamento também nas igrejas, pois são compostas de pessoas diversas. O importante é saber identificar a pessoa que pratica o bullying e submetê-la a tratamento.

O bullying pode ser denominado como um ato cruel e premeditado com a intenção de agredir psicológica ou fisicamente outra(s) pessoa(s) e ganhar poder. É preciso entender que a pessoa que pratica o bullying está chamando a atenção para sua incapacidade de administrar suas emoções e um suporte psicológico para confrontar essa atitude é vital. Esse comportamento violento pode levar sua vítima ao suicídio como também impedir que o agressor se liberte de algo que é sufocante para ele mesmo.
Maridos, esposas, chefes, diretores, irmãos, alunos e outros estão incluídos nesse assunto e quanto mais pessoas cientes a respeito do bullying e suas formas de atuação, melhor a divulgação na maneira de confronto com as mesmas promovendo uma vida saudável e menos estressante.

6 comentários :

  1. Que interessante, seu post tem muito a ver com o que acabei de fazer: a violência que praticamos no dia a dia e nem nos damos conta. Eu falei sobre a questão do preconceito contra os negros, já que ontem foi o dia da consciência negra. É impressionante como lidamos com o preconceito racial diariamente e, às vezes, nem nos damos conta por encarar o assunto com naturalidade, o que considero um absurdo. Assim, percebi o preconceito que existe dentro de mim e resolvi lutar contra ele e transformei isso numa proposta aos visitantes do meu blog. Enfim, quero lutar contra essa violência sutil que castiga tantas pessoas, a começar por mim e aqueles que estão próximos de mim. Parabéns pelo post e ótima dica de leitura pra nós! Adorei!
    Bjão!!

    ResponderExcluir
  2. Eu não havia percebido que o "bully" é um ato intencional. Nossa! É até difícil imaginar que alguém possa ter a capacidade de premeditar maldades a ponto de levar alguém ao suicídio. Que monstruosidade!

    ResponderExcluir
  3. O importante, Fábio, é que a vítima rompa com o silêncio e peça ajuda a outras pessoas. O bully precisa saber que há responsabilidade nos seus atos. Ele também necessita de ajuda para quebrar o vínculo com a agressividade. O livro usa o termo "espelho honesto", alguém deve mostrar os danos que ele causa, refletir o seu perfil verdadeiro. Às vezes as pessoas não se dão conta que ofenderam o semelhante, então precisam ser confrontados. É um assunto vasto...

    ResponderExcluir
  4. É difícil de aceitar, mas é bem verdade que tem gente que ofende os outros e não se dá conta. A questão do "espelho honesto" deve ser realmente muito útil.
    Adorei a dica de leitura!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, mt importante esse assunto. Nas empresas chamamos o bullying de Assédio Moral, o que mts vezes é interpretado como assédio sexual, está envolvido mas não se trata só disso. Percebo que as pessoas moscaram os assediadores morais dentro das organizações, pq mts destes são os proprios líderes. Um exemplo desta prática é o líder dizer que o funcionário é lerdo, burro, incompetente... na verdade ele nem precisa dizer nada, basta tratá-lo com indiferença diante dos outros funcionários e não dar uma chance se quer a ele de mostrar q tem talentos.
    Enfim, uma forma de combater o bullying, seja onde for, é não concordar nem se omitir diante deste comportamento. Tem que fazer como vc, Sonia, dividir conhecimentos! Adorei msm! bjs....

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Danielle, por acrescentar conhecimento a esse tema tão importante como o bullying. Há muitos casos, tanto na família quanto nos outros grupos sociais, mas acontece silenciosamente sem que medidas possam ser tomadas para minimizar ou solucionar a situação. Por isso o envolvimento da sociedade é essencial para ajudar no processo de transformação tanto do agressor quanto da vítima.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Faço a moderação dos comentários, por isso ao enviar sua mensagem, aguarde pela aprovação. Comentários ANÔNIMOS ou com links NÃO serão publicados. Lembre-se de assinar!

Grata

Sonia Salim